sexta-feira, 21 de abril de 2017

Os limites da religião na vida das crianças

A Bíblia nos diz que se ensinarmos uma criança no caminho em que ela deve andar, mesmo na velhice não se desviará dele (Provérbios 22:6). Ela também nos relata que Jesus, ainda aos 12 anos de idade, ouvia e interrogava com perspicácia os doutores da Lei no templo (Lucas 2:41-52). Entretanto, uma coisa é ensinarmos o bom caminho do Evangelho para os nossos filhos; outra coisa é transformá-los em religiosos mirins. Uma coisa é uma criança genuinamente interessada no conhecimento da Palavra de Deus; outra é uma criança que decorou jargões evangélicos e os repete sem saber o que diz.

É muito bonito ver crianças servindo a Deus, recitando salmos, cantando louvores e orando. São como flores desabrochando em meio a um deserto de malícia cada vez mais precoce. Porém, nós, pais, devemos literalmente ensinar a elas o caminho que devem trilhar, isto é, dar aulas de como ser verdadeiros cristãos, para que não venham a se tornar meras religiosas quando crescerem, tampouco venham a se desviar da casa de Deus. E o maior ensinamento que podemos lhes dar é o nosso exemplo, o nosso testemunho dentro do nosso lar, que é a nossa primeira Igreja.

Muitos pais acham que basta levar os seus filhos ao templo e deixar todo o trabalho para o irmão ou a irmã responsável pelo ensino das crianças, tal como muitos fazem em relação à escola normal. Todavia, assim como não basta levar os filhos para a escola, mas é preciso ajudá-los com seus estudos em casa, da mesma sorte também é preciso ensinar-lhes o Evangelho dentro de casa. Ensiná-los a amar a Deus sobre todas as coisas, sendo agradecidos a Ele pelo alimento e pelo dia que tiveram, por exemplo. Ensiná-los a amar o seu próximo como a si mesmos, orientando-os a não fazerem aos seus amiguinhos aquilo que não gostariam que fizessem a eles mesmos. Todos os mandamentos se resumem nestes dois, então se você ensinar isto aos seus pequeninos, estará formando bons filhos de Deus na Terra.

Somente não podemos transformar nossas crianças em mini-pregadores, mini-missionárias ou qualquer coisa do gênero. Não é um terninho que fará dos nossos meninos autênticos crentes em Jesus, nem será uma sainha até os joelhos o que irá fazer da nossas meninas verdadeiras servas de Deus. É o conhecimento do genuíno Evangelho que Cristo nos ensinou e o nosso exemplo dentro das nossas próprias casas que operarão tais maravilhas na vida dos nossos filhos.